Em resposta da FIFA à CBF, a Entidade defende o VAR e Nega Acesso aos áudios

A Federação Internacional de futebol, após carta envidada pelos dirigentes da CBF, informou que as conversas do VAR de quaisquer jogos não estarão à disponibilidade.

No dia de 18 de junho a Comissão Brasileira de Futebol enviou uma carta oficial à Entidade máxima do esporte. O objetivo era conseguir esclarecimentos acerca do lances considerados polêmicos no primeiro jogo da seleção brasileira na Copa da Rússia. Manifestando de com muita ênfase as decisões da equipe de arbitragem no empate em 1×1 contra a Suíça, mais especificamente os lances que resultaram no gol do adversário e o lance em que Gabriel Jesus foi agarrado na área e que poderia ter sido marcado o pênalti. O documento foi assinado por Rogério Caboclo, chefe da delegação, e cobrava uma posição da FIFA, juntamente com o acesso aos áudios e a gravação de vídeo do VAR.

Vídeo Árbitro - Dziurek / Shutterstock.com

Tecnologia de VAR – Dziurek / Shutterstock.com

A resposta oficial da FIFA no que diz respeito a essa questão foi publicada hoje pela manhã, a dois dias da próxima partida da seleção, e continha a explicação detalhada sobre o VAR, que começou a ser utilizado na Copa do Mundo este ano. A Federação já havia informado esta semana que havia aprovado os procedimentos da equipe de arbitragem na partida. Informou ainda que o VAR havia sido consultado e que o árbitro de vídeo não manifestou clareza quanto à falta sofrida no gol dos Suíços. A recomendação da FIFA é de que, não havendo certeza quanto às infrações, o árbitro de campo não deve ter a sua interpretação interrompida pela equipe de vídeo.

O documento encaminhado à CBF foi assinado pelo chefe da comissão de arbitragem e pelo Secretário-adjunto Geral para Futebol. Explicando ainda que a intenção da tecnologia em campo é reduzir que erros nítidos de arbitragem sejam cometidos. E na interpretação da FIFA, este não seria o caso dos lances que geraram polêmica na partida do último domingo. Aproveitando a oportunidade, a entidade de futebol informou da decisão, antes da Copa do Mundo, de que não iriam disponibilizar as gravações entre a equipe de arbitragem no transcurso da partida às federações.  Apesar de a CBF manter o seu entendimento de que houve erros claros que prejudicaram a equipe e, consequentemente, o resultado na estreia, considerou positivo que o debate sobre este novo recurso esteja aberto. Assim poder-se-á aperfeiçoar a tecnologia trazendo maior precisão e melhoria nos procedimentos para as partidas no futuro.